The week ahead in Brazil #42

Short term

What is happening in Brazil?

1. Candidates backed by president Jair Bolsonaro are leading the race to win control of Congress. On the dispute for speaker of the Lower House, Deputy Arthur Lira (PP-AL), a Centrão representative backed by Mr Bolsonaro, is likely to defeat Baleia Rossi (MDB-SP), the centrist supported by the current speaker Rodrigo Maia (DEM-RJ). Mr Bolsonaro and the current president of the Senate, Davi Alcolumbre (DEM-AP), are supporting senator Rodrigo Pacheco (DEM-MG), who has a clear advantage over senator Simone Tebet (MDB-MS) to become the next president of the Upper House. There are claims that the government is allocating money into projects of 285 congress members through the Ministry of Regional Development.

2. The Financial Times provided a well-balanced overview of the fiscal situation in Brazil. According to the editorial board, Bolsonaro’s administration overspent with the coronavirus crisis, reforms and privatisations did not advance and most of Brazil’s public debt is short-term with maturities shortening. FT assesses Brazil could improve its current condition by re-estimating the national accounts and economic inequalities.

On Tuesday (26), speaking to investors at a Credit Suisse conference, Mr Bolsonaro reassured the government’s commitment with the spending ceiling, the approval of structural reforms and the privatisation plan.

The number of Brazilian people in paid work was 142,690 higher in 2020 than in 2019. Despite that, the unemployment level is considered high, with 14.1m people looking for a job.

The government’s deficit hit a record high of R$743bn (£99.3bn)1 in 2020, representing 10% of GDP.

China released 5,400 litres of essential ingredients to the manufacturing of more than 5m doses of the Coronavac vaccine in Brazil.

3. Vice President Hamilton Mourão said a ministerial reshuffle is likely to occur after the election of leaders in Congress. Mr Mourão highlighted he is not part of the political articulations, but indicated that one of the ministers that could be substituted is that of Foreign Relations, Ernesto Araújo.

On Monday (25), Wilson Ferreira Junior announced his resignation as CEO of Eletrobrás, the Brazilian state-controlled electricity company. Mr Ferreira alleged personal reasons, and is an enthusiast of privatising the company. He will become the CEO of BR Distribuidora.


How to read it?

1. Rebounding from last week, Brazilian politics are likely to enter into a positive trend in the days to come. By saying that, I mean that the executive and legislative branches have similar and converging agendas. The leadership in Congress is crucial to assessing the political factor in this newsletter.

If the candidates backed by Mr Bolsonaro win the elections for the presidency of both congressional houses, the government will most likely be positively impacted, as:

  • Mr Bolsonaro will be safer against the almost 60 impeachment requests in the Lower House;
  • A pro-government leadership in both houses has tremendous power to set the policymaking process agenda;
  • It could unlock the approval of the structural reforms and the privatisation of state-controlled companies, such as Eletrobras;
  •  It is likely to repopulate the executive branch with politicians to become ministers and directors of public companies;
  • This scenario favours a stronger presidential coalition.

All factors support a strong political setting, but it does not mean that it will be cheap, easy or hassle-free.

Most analysts stressed that Mr Lira and Mr Rossi are not much different from one another, as seen in how they voted over the past two years, implying they are similar in their beliefs or agreements. However, drawing such a conclusion from their voting pattern, in this case, is not as decisive as it would be if one of them was a left-wing candidate, for example. Other analyses drew attention to the fact that Mr Lira’s group is likely to charge more to secure the government’s survival or to deliver results, due to their more transactional nature, which I tend to agree with. They will require ministries and jobs in public companies and agencies, a persistent clientelist practice in Brazilian politics. Apart from a campaign promise, Mr Bolsonaro said in an interview that he would not create more ministries, but I doubt he will be able to keep it as it is. Even so, while I agree that a friendly leadership can be effective in preventing damages in Congress, I am not so sure of their capacity to deliver on the government’s agenda, which is mostly based on the skills to build consensus.

Besides that, another factor contributing to a positive trend is that Mr Bolsonaro toned down his rhetoric from the previous week. The change is possibly a consequence of the decrease in his approval ratings combined with a high level of criticism over his pandemic handling.

2. The economy is in neutral mode. The recently announced deficit is considered high and the unemployment figures are mixed (high, but better than expected). Mr Bolsonaro’s messages to investors were encouraging, but caution is important. As I have said previously, this government has a widespread issue of credibility in the way that a speech from a minister or even from the president does not necessarily turn into policy. In the economy, it is a persistent sign, regardless of the team’s good management skills or the strong beliefs of Mr Guedes. The emergency aid extension remains a fiscal risk, and a speedy vaccination is a crucial factor in providing economic results.

On the other hand, monetary policy and trade results are positive. The situation with the pharmaceutical ingredients from China, essential for the production of vaccines against Covid-19 in Brazil, untied several other aspects of the bilateral economic relationship, including trade and the situation with Huawei, which is likely to participate in the bidding process over the Brazilian 5G network.

3. The public management pilar continues in a negative trend. Poor leadership and the lack of quality of public policies continue to expose weaknesses in the government, especially in the health and environment areas. It seems there is a slight bitterness between Mr Mourão and Mr Bolsonaro, with further developments in the diplomatic and environment departments, as the vice-president is a frequent interlocutor with ambassadors in Brasilia and heads the Amazon Council.

The departure of Mr Ferreira was not well received. It shows dismay with the privatisation processes throughout the government and can be a hint of what is yet to come. There have been rumours that politicians are claiming back the Ministry of Mines and Energy and Eletrobras, especially from the Movimento Democrático Brasileiro – MDB.

1 £1 = R$7.48


Em português

Perspectiva da semana #42


O que está acontecendo?

1. Os candidatos apoiados pelo presidente Jair Bolsonaro estão liderando a corrida para ganhar o controle do Congresso. Na disputa para a presidência da Câmara dos Deputados, o Deputado Arthur Lira (PP-AL), um membro do Centrão apoiado por Bolsonaro, provavelmente derrotará Baleia Rossi (MDB-SP), o centrista apoiado pelo atual presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ). Bolsonaro e o atual presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), estão apoiando o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que tem uma clara vantagem sobre a senadora Simone Tebet (MDB-MS) para se tornar o próximo presidente do Senado. Há alegações de que o governo está privilegiando a alocação de recursos financeiros em projetos de 285 membros do congresso por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR).

2. O Financial Times publicou uma visão geral bem equilibrada da situação fiscal no Brasil. De acordo com o conselho editorial, o governo Bolsonaro gastou demais com a crise do coronavírus, as reformas e privatizações não avançaram e a maior parte da dívida pública brasileira é de curto prazo, com os vencimentos ficando mais curtos. O FT avalia que o Brasil poderia melhorar sua condição atual ao reavaliar as contas nacionais e as desigualdades econômicas.

Na terça-feira (26), falando aos investidores em uma conferência do Credit Suisse, Bolsonaro reafirmou o compromisso do governo com o teto de gastos, a aprovação das reformas estruturais e o plano de privatização.

O número de brasileiros em trabalho remunerado foi 142.690 maior em 2020 do que em 2019. Apesar disso, o nível de desemprego é considerado alto, com 14,1 milhões de pessoas fora do mercado de trabalho.

O déficit do governo atingiu um recorde de R$743bn (£99,3bn)1 em 2020, representando 10% do PIB.

A China liberou 5.400 litros de ingredientes essenciais para a fabricação de mais de 5m de doses da vacina Coronavac no Brasil.

3. O Vice-Presidente Hamilton Mourão afirmou ser provável que uma remodelação ministerial ocorra após a eleição dos líderes no Congresso. Mourão destacou que não faz parte das articulações políticas, mas indicou que um dos ministros que poderia ser demitido é o das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

Na segunda-feira (25), Wilson Ferreira Júnior comunicou sua renúncia como CEO da Eletrobrás. Ferreira alegou razões pessoais e era um entusiasta da privatização da empresa. Ele se tornará o CEO da BR Distribuidora.


Uma análise

1. Recuperando da semana anterior, é provável que a política brasileira entre em tendência positiva nos próximos dias. Ao dizer isto, quero dizer que os poderes executivo e legislativo podem ter agendas semelhantes e convergentes. A liderança no Congresso é crucial para avaliar o fator político neste boletim.

Se os candidatos apoiados por Bolsonaro forem eleitos para as casas do Congresso Nacional, o governo pode ter um cenário favorável usufruindo de vantagens, exemplificadas nesta lista não exaustiva:

  • Segurança a Bolsonaro contra os quase sessenta pedidos de impeachment existentes;
  • Liderança favorável nas duas casas do Congresso Nacional tem imenso poder de agenda no ciclo de políticas públicas.
  • Aceleração na aprovação das reformas estruturais e privatização de estatais, como a Eletrobrás.
  • Alocação, no poder Executivo, de políticos para serem ministros ou diretores de empresas públicas;
  • Favorecimento de uma coalizão presidencial forte.

Recuperando da semana anterior, é provável que a política brasileira entre em tendência positiva na próxima semana. Ao dizer isto, quero dizer que os poderes executivo e legislativo têm agendas semelhantes e convergentes. A liderança no Congresso é crucial para avaliar o fator político neste boletim.

Tudo isso favorece um cenário político forte, mas não necessariamente barato, fácil ou sem complicações.

A maioria dos analistas enfatizou que Lira e Rossi não são muito diferentes um do outro, como visto em algumas votações nos últimos dois anos, indicando que seriam semelhantes em suas crenças ou acordos. Entretanto, tirar tal conclusão de seu padrão de votação, neste caso, não é tão decisivo como seria se um deles fosse candidato de esquerda, por exemplo. Outras análises, com as quais tendo a concordar, chamam a atenção para o fato de que o grupo de Lira provavelmente cobrará mais para garantir a sobrevivência do governo ou para entregar resultados, devido à sua natureza mais transacional. Eles exigirão ministérios e empregos em empresas e agências públicas, uma prática clientelista persistente na política brasileira. Além de uma promessa de campanha, Bolsonaro disse em entrevista que não criaria mais ministérios, o que parece pouco provável. Mesmo assim, embora concorde que uma liderança amigável pode ser eficaz na prevenção de danos no Congresso, não estou tão certo de sua capacidade de entregar efetivamente a agenda do governo.

Além disso, outro fator que contribui para uma tendência positiva é que Bolsonaro diminuiu sua retórica belicosa da semana anterior. Isso foi possivelmente consequência da diminuição de sua taxa de aprovação combinada com um alto nível de críticas sobre seu tratamento da pandemia.

2. A economia está em modo neutro. Os números divulgados mostram alta da dívida e do desemprego (nesse caso, melhor do que o esperado). As mensagens de Bolsonaro aos investidores foram encorajadoras, mas é necessário ter cautela. Como disse anteriormente, este governo tem uma questão generalizada de credibilidade na forma como um discurso de um ministro ou mesmo do presidente não se transforma necessariamente em política pública. Na economia, é um sinal persistente, independentemente de suas boas habilidades de gestão da equipe ou das fortes crenças de Guedes. A extensão da ajuda de emergência continua sendo um risco fiscal, e uma rápida vacinação é um fator crucial para a obtenção de resultados econômicos.

De outro lado, a política monetária e os resultados comerciais são positivos. A situação com os ingredientes farmacêuticos da China para a produção de vacinas contra a Covid-19 destravou vários outros aspectos da relação econômica bilateral, incluindo o comércio e a situação com a Huawei, que provavelmente participará do processo de licitação da rede brasileira de 5G.

3. A gestão pública continua com uma tendência negativa. A má liderança e a falta de qualidade das políticas públicas continuam a expor fraquezas no governo, especialmente nas áreas de saúde e meio ambiente. Parece haver uma ligeira amargura entre Mourão e Bolsonaro, com novos desenvolvimentos nos departamentos diplomático e ambiental. O vice-presidente é um interlocutor freqüente de embaixadores em Brasília e chefia o Conselho da Amazônia.

A saída de Ferreira não foi bem recebida. O ocorrido demonstra descrença com os processos de privatização em todo o governo e pode ser uma dica do que ainda está por vir. Há rumores de que políticos estão reivindicando o Ministério de Minas e Energia e a Eletrobras, especialmente os membros do Movimento Democrático Brasileiro – MDB.


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s