The week ahead in Brazil #40

Short term

What is happening in Brazil?

1. Senator Simone Tebet (MDB-MS) was named candidate to run for the presidency of the Senate. Ms Tebet is the first woman to run for the position and will face tough competition from senator Rodrigo Pacheco (DEM-MG). With political support from the president of the Senate, Davi Alcolumbre, and, more discreetly, President Jair Bolsonaro, Mr Pacheco seems to lead the race so far. The Lower House election has named eight candidates.

Rodrigo Maia, the speaker of the House, asked the president of the Congress, Davi Alcolumbre, to summon the Representative Committee to discuss the situation faced by the state of Amazonas. Hospitals ran short of oxygen in light of a rise in new cases and deaths due to Covid-19. Politicians are pointing the finger at Mr Bolsonaro, both for incompetence and for downplaying the pandemic. The government is attempting to initiate the national vaccination plan with the possibility of acquiring vaccines from India or by using China’s Coronavac, which have been produced by the state of São Paulo. There is a political rift around it, and the state of São Paulo vaccinated the first person in Brazil soon after the Anvisa’s approval on Sunday (17).

2. After more than 100 years in Brazil, Ford decided to shut down its Brazilian factories, laying off 5,000 employees. On Monday (11), the carmaker announced the closing of its units in the states of Bahia, Ceará and São Paulo, as part of a global restructuring. Echoing the announcement, auto industry leaders said other problems aggravated this situation, such as a high tax burden, excessive bureaucracy and legal riskiness, all contributing to the “Brazil cost”. Automakers called for a better business environment, alerting that other industries could face similar decisions.

Some reports say that the government is leaning to accept Huawei in the 5G bidding, scheduled to occur in the first semester. The administration supported the US-led efforts to ban Huawei from the bidding process, but telecom companies informed the Brazilian government that the economic costs would be too high.

Mr Bolsonaro backed off from firing André Brandão, the CEO from Banco do Brasil. The president considered a wrong decision to close branches and initiate a voluntary dismissal plan for 5,000 workers. The interference attempt caused a variation of -4,94% in the BBAS3 stock price.

The Brazilian Central Bank’s Monetary Policy Committee (Copom) will meet this week to assess the basic interest rate, known as Selic. The market expects Copom to maintain the Selic rate at 2% p.a. for now, but the forecasts are divergent for the end of the year.

3. The shortage of oxygen in Amazonas and the delay in beginning the vaccination plan were in all major news outlets this week. Anvisa, the National Health Surveillance Agency, approved the use of the Coronavac and the Oxford/AstraZeneca vaccines this Sunday (17). The federal government is demanding the full lot from the Coronavac vaccines manufactured by the Butantã Institute, a research centre affiliated with the state government of São Paulo, and it does not have the Oxford vaccines it was supposed to get from India. São Paulo vaccinated the first person soon after Anvisa’s approval.

The UK banned arrivals from South American countries and Portugal. The decision was taken due to concerns about the new Brazilian variant of the Coronavirus. On Saturday (16), Italy also prohibited flights from Brazil.

How to read it?

1. Despite a rising political tension because of the attempts of the government to deflect for its botched response to the pandemic, it does not represent a conflict yet. The situation adds some stress, but its effect is currently limited as Congress is on recess. Several politicians, led by Mr Maia and João Dória, the governor of São Paulo, elevated the tone against the Bolsonaro administration.

The most likely scenario for this month is that Mr Bolsonaro will lose some support, due to the handling of the pandemic and the end of emergency payments. The timing could not be worse, but some factors can minimise that situation. As it happened before, Mr Bolsonaro acts as his own spin-doctor, and a well-crafted narrative could prevent a watered-down trajectory. Furthermore, there is always a chance that politicians will call for another form of aid, and Mr Bolsonaro could win allies at the presidencies of the legislative houses, providing a more optimistic forecast. A ministerial shuffle seems more plausible every day.

2. The immediate economic results are not as bad as they could be. They are quite surprising actually. This does not change the need to approve the structural reforms. As the second wave of contamination approaches, there will be calls for the government to increase its expending in any form: to sustain jobs, to boost social programmes, to create tax breaks. If that is the case, the government could answer negatively or push harder to pass the reforms – which could provide upfront money from investors, and privatise companies – to get quick cash. It could always increase debt, a risky but mesmerising political solution.

The political interference on Banco do Brasil was negative. It caused a loss to shareholders and drew attention to the economic character of Mr Bolsonaro: his mindset leans towards a state as a big employer with robust public companies. Amid discouraging news, as the departure of Ford, it comes as a relief that the government realised that banning Huawei from the 5G bidding would be costly to companies and citizens. As pointed out last week, the government could not afford to ignore China’s importance to the Brazilian economy, especially to the agribusiness.

3. The public administration is consistently providing sings of running a flawed policymaking process. The disappointing response to the Covid-19 and the excessive politicisation of the vaccine are the most recent signs of the situation. There is a widening gap between the government’s will and what and when it delivers. The initiative of São Paulo to explore the possibility of having the Coronavac vaccine is a clear example of how the public sector could find timely solutions in Brazil.

Ford’s departure was negative reflecting the “Brazil cost”, the administration’s incapacity to modernise its bureaucratic processes and the lack of understanding of what is happening. The diagnosis of a problem is the basic step to put forward a solution in the form of a policy. Although several initiatives with the aim of reducing the cost of doing business in Brazil were implemented in the last couple of years by the Bolsonaro administration, they do not seem to have had a meaningful impact on the private sector.

*I’d like to make a note about Ford and other companies, such as Sony, closing their factories in Brazil. I am not sure this is a case of low business power, in the sense that both companies were unable to influence public policies. I treated the business power theory in this article. I guess they are disinvesting in the Brazilian economy (the exit option) not due to a particular public policy or excessive regulatory norms to harm their businesses. It seems more plausible that their decisions relate to the costs of doing business in Brazil in general, combined with a decrease in the economic activity in Brazil, vis-à-vis other countries. Ford and Sony are global brands cutting part of their global operations, prioritizing more attractive markets.

Two aspects are remarkable in these episodes: the absence of dialogue between the companies and the government and the lack of faith in the recovery of the Brazilian economy in the long term. By saying that, I do not imply the government should extend tax breaks to promote business, should it be the claim from companies. Nonetheless, the government should pursue feasible ways to abandon the low productivity choices made in previous years (see Blog do Ellery and this interview with Marcos Lisboa). Easier said than done. It would be wise to anticipate situations like these and properly engage with companies to prevent further closures.


Em português

Perspectiva da semana #40


O que está acontecendo?

1. A senadora Simone Tebet (MDB-MS) foi indicada para concorrer à presidência do Senado. Tebet será a primeira mulher a concorrer ao posto e enfrentará competição cerrada do senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Com apoio político de Davi Alcolumbre, atual presidente do Senado, e, de forma mais discreta, do presidente Jair Bolsonaro, Pacheco parece liderar a corrida por enquanto. A Câmara dos Deputados conta com oito candidatos à presidência.

Rodrigo Maia, o presidente da Câmara, solicitou ao presidente do Congresso, senador Davi Alcolumbre, para convocar o Comitê Representativo do Congresso para discutir a situação no Amazonas. Diante do aumento do número de casos e mortes decorrentes da Covid-19, hospitais estão sem oxigênio e entrando em colapso. Políticos culpam Bolsonaro por incompetência e por minimizar a pandemia. O governo está tentando adquirir vacinas da Índia ou usar a Coronavac para iniciar o plano de vacinação, mas o assunto está dominado pelo conflito político. O estado de São Paulo vacinou a primeira pessoa logo após a aprovação da Coronavac pela Anvisa.

2. Após mais de cem anos de presença no Brasil, a Ford decidiu fechar suas fábricas brasileiras, causando a demissão de 5.000 empregados. Na segunda-feira, a fabricante anunciou o fechamento de suas unidades da Bahia, do Ceará e de São Paulo, como parte de sua reestruturação global. Líderes da indústria de automóveis reverberaram o fechamento, apontando outros problemas que levaram a essa decisão, tais como a alta carga tributária, excesso de burocracia e insegurança jurídica, fatores que contribuem para o “custo Brasil”. Fabricantes pediram um melhor ambiente de negócios, alertando que outras indústrias podem vir a tomar decisões similares.

Alguns artigos dizem que o governo está inclinado a permitir a participação da Huawei no leilão do 5G, marcado para ocorrer no primeiro semestre. A administração apoiou a iniciativa americana de proibir a participação da Huawei em leilões, mas as telecoms informaram o governo brasileiro de que os custos dessa proibição seriam muito altos.

Bolsonaro desistiu, por enquanto, de demitir André Brandão, o CEO do Banco do Brasil. O presidente considerou inadequada a decisão de fechar agências e iniciar um plano de demissão voluntária que poderia alcançar 5.000 funcionários. O tentativa de interferência causou uma variação de -4.94% na BBAS3.

O Copom realizará reunião esta semana para definir a taxa Selic. O mercado espera que o Copom mantenha a Selic a 2% aa, mas divergem em relação à taxa para o fim de 2021.

3. A falta de oxigênio no Amazonas e o atraso do início do plano de vacinação fizeram as manchetes de todos os grandes meios de comunicação esta semana. A Anvisa aprovou as vacinas Coronavac e Oxford/AstraZeneca neste domingo (17). O governo federal está demandando o lote inteiro de Coronavac para iniciar o plano de vacinação, e ainda não tem a vacina de Oxford que pretendia obter da Índia.

O Reino Unido proibiu chegadas de passageiros da América do Sul e de Portugal. A decisão foi tomada por receio da propagação da variante brasileira do Coronavírus. No sábado (16), a Itália também proibiu voos originários do Brasil.

Uma análise

1. Apesar do aumento da tensão política decorrente das tentativas do governo de evitar assumir responsabilidade pela resposta desastrada à pandemia, ainda não há um conflito estabelecido na sua forma usual. Essa situação causa stress, mas o efeito ainda é limitado porque o Congresso está de recesso. Vários políticos, liderados por Maia e João Dória, elevaram o tom das críticas contra o governo federal.

O cenário mais provável para este mês é que Bolsonaro perca algum apoio, tanto pela tensa gestão da pandemia como pelo fim da ajuda emergencial. O momento não poderia ser pior, mas alguns fatores podem minimizar essa perda. Como aconteceu em outras vezes, Bolsonaro é o próprio intérprete e comunicador das ideias, e uma narrativa bem construída poderá prevenir uma trajetória negativa. Além disso, sempre existe a possibilidade de que políticos pressionem para algum tipo de ajuda financeira, e Bolsonaro poderá ter aliados vencendo as eleições para as presidências da Câmara e do Senado, o que desenharia um cenário mais otimista. Uma reforma ministerial parece mais plausível a cada dia.

2. O resultados econômicos atuais não são tão ruins quanto poderiam ser. Ele são surpreendentes, na verdade. Isto, contudo, não altera a necessidade de aprovar as reformas estruturais. Com a aproximação da segunda onda de contaminação, haverá pressão para o governo gastar mais, promovendo empregos e programas sociais ou concedendo subsídios. Se esse for o caso, o governo poderia negar essas pressões ou pressionar mais pelas reformas, cuja aprovação melhoraria a confiança de investidores e contribuir para os processos de privatizações, gerando caixa. Naturalmente, sempre existe a possibilidade de aumento do endividamento, uma opção politicamente sedutora, mas muito arriscada.

A tentativa de interferência política no Banco do Brasil foi negativa. O fato causou perdas para acionistas e trouxe atenção para o caráter econômico de Bolsonaro: ele tende mais para um estado grande, provendo empregos com grandes empresas públicas federais. Entre essas notícias desanimadoras, como a saída da Ford, a desistência do governo de impedir a participação da Huawei no leilão do 5G é um alívio que trará benefícios para as empresas e a população. Como alertado semana passada, o governo não tem meios de ignorar a importância comercial da China para o Brasil, especialmente para o agronegócio.

3. A administração pública vem consistentemente dando sinais de gerenciar um processo falho de elaboração de políticas públicas. A decepcionante resposta à Covid-19 e a excessiva politização em torno da vacina são os episódios mais recentes dessa situação. A diferença entre o que o governo promete e o que ele consegue realizar é crescente. A iniciativa do estado de São Paulo em explorar a possibilidade de ter a Coronavac é um claro exemplo de como o setor público pode entregar soluções tempestivas no Brasil.

A saída da Ford foi negativa, refletindo o “custo Brasil”, a incapacidade da administração em modernizar a burocracia e a falta de compreensão sobre o que está acontecendo. O diagnóstico de um problema é o passo fundamental para iniciar a elaboração de uma solução em políticas públicas. Embora o governo tenha implementado várias iniciativas, nos últimos dois anos, para reduzir o custo de fazer negócios no Brasil, elas não parecem ter sido capazes de gerar um impacto significativo na economia e para o setor privado.

*Eu gostaria de fazer uma nota sobre a Ford e outras companhias que estão deixando o Brasil. Eu não tenho certeza de que é um caso clássico de baixo poder empresarial, no sentido de que ambas as companhias não teriam capacidade para influenciar políticas públicas. Eu expliquei a teoria de poder empresarial neste artigo. Eu penso que elas estão desinvestindo na economia brasileira (a opção de saída do território) não devido a uma política pública em particular ou pelo excesso regulatório que pudessem prejudicar seus negócios. Parece-me mais plausível que as decisões guardam mais relação com os custos do Brasil, combinados com a diminuição da atividade econômica, em relação a outros países. Ford e Sony são marcas globais que decidiram cortar uma parte de suas operações, priorizando mercados mais atraentes.

Dois aspectos são relevantes nesses episódios: a falta de diálogo entre as companhias e o governo e a falta de confiança na recuperação da economia brasileira no longo prazo. Ao dizer isso, eu não pretendo inferir que o governo deveria fazer tudo o que as companhias eventualmente quisessem, como, por exemplo, a obtenção de subsídios. Apesar disso, o governo deveria buscar ações factíveis de abandonar as escolhas de governos passados (veja o Blog do Ellery esta entrevista com Marcos Lisboa). É mais fácil falar do que fazer esse tipo de ajuste. Seria bom o governo antecipar situações como essas e engajar-se ativamente com as empresas para previnir futuras perdas.


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s